Vereadores santanenses apresentam a deputados moção contra prejuízos do funcionalismo estadual.

por Gilmar Ayres Silveira Nunes publicado 04/11/2019 08h21, última modificação 04/11/2019 08h21
A moção, foi aprovada por todos os vereadores locais, foi lida durante sessão da Assembleia Legislativa.

Os vereadores Antonio Zenoir, Leandro Ferreira e Ulberto Navarro “Garrão” foram até a Capital do Estado, na Assembleia Legislativa, levar aos 55 Deputados Estaduais, nesta última terça-feira, 29 de outubro, a Moção de Protesto às modificações propostas pelo Governo do Estado nos planos de carreira do magistério estadual e em favor da educação pública, gratuita, laica, democrática, de qualidade e inclusiva. A moção é da autoria do vereador Antonio Zenoir e foi assinada por todos os parlamentares da Casa Legislativa santanense e aprovada de forma unânime na Sessão Ordinária do dia 22 de outubro.

Os parlamentares já haviam manifestado repudio às 117 medidas que mexem com a estrutura das carreiras de todos os funcionários públicos e demais categorias do Estado, e logo que a aprovada, segundo explicou Zenoir, os vereadores representando o Poder Legislativo, encaminharam a moção junto de um protocolo de recebimento para que fosse assinado por todos os deputados.

Muito bem recebidos na Assembleia Legislativa, os vereadores manifestaram seu contentamento e parabenizaram a todos os deputados pelas posições manifestadas contra as reformas propostas pelo governo. O deputado Zé Nunes durante a sessão leu a moção do Poder Legislativo santanense na Assembleia Legislativa.
Também na sessão plenária, os vereadores Antonio Zenoir, Leandro Ferreira e Ulberto Navarro “Garrão” acompanharam a votação referente ao Projeto de Lei 93/2017 que extinguia e criava cargos efetivos nos serviços auxiliares do Poder Judiciário estadual. Segundo a proposta, oficiais escreventes, hoje em exercício, passariam a integrar quadro em extinção, e as vagas existentes passariam a ser preenchidas por técnicos judiciários, aprovados em concurso já realizado e que aguardam nomeação.

Com o Plenário lotado pelos servidores do Judiciário, o projeto foi rejeitado por maioria, contando com 44 votos contrários e 2 favoráveis à proposição.
“Foi uma honra estar com meus colegas vereadores para realizar um trabalho árduo e emocionante deixando claro que não concordamos com as futuras medidas de um Governador sem respeito e que quer aniquilar o funcionalismo gaúcho, contra a retira de direitos de todas as categorias”, declarou o vereador Antonio Zenoir logo após o termino da sessão da Assembleia.