Bandeira do Rio Grande do Sul será hasteada a meio-mastro

por Gilmar Ayres Silveira Nunes publicado 27/11/2019 08h35, última modificação 29/11/2019 12h57
Câmara com bandeira a meio-mastro pela PM Marciele e contra o pacote do governo do estado, propostas aprovadas por unanimidade e apresentadas na sessão da última terceira-feira 26 de novembro.
Bandeira do Rio Grande do Sul será hasteada a meio-mastro

Sala do plenário no dia da sessão

A Bandeira do Rio Grande do Sul será hasteada a meio-mastro no mastro instalado na fachada do Palácio Getúlio Vargas, sede do Poder Legislativo Municipal, durante os próximos três dias, conforme decisão tomada ontem pelo Plenário da Câmara de Vereadores. Duas propostas foram apresentadas nesse sentido e aprovadas por unanimidade pelos legisladores presentes, uma delas em protesto contra o pacote de medidas encaminhado pelo governador Eduardo Leite à Assembleia Legislativa gaúcha e outra como saudação à memória da policial militar Marciele Renata dos Santos Alves, morta durante uma operação da BM na cidade de Sério, no Vale do Taquari.


A sugestão para que a Bandeira do Rio Grande do Sul fosse colocada a meio-mastro durante três dias pela morte da PM foi do vereador Marco Monteiro. Os vereadores também aprovaram um Voto de Pesar pelo falecimento de Marciele, atendendo proposição do vereador Germano Camacho. A jovem PM integrava uma patrulha da BM que entrou em confronto com bandidos que haviam roubado dois veículos em Venâncio Aires e tentavam chegar a Lajeado e acabou sendo atropelada por um dos veículos roubados.

 

O vereador Germano Camacho citou texto postado nas redes sociais pelo PM aposentado Edgar Soares Anchieta: “Tratados com desdém, estes privilegiados operadores de segurança, homens e mulheres, negros, brancos, pardos, que, diuturnamente, se lançam no breu do submundo para garantir o direito de ir e vir, o sagrado direito à vida, a eles, vacilar não é permitido. Direitos? Já têm demais. Enfrentar e combater delinquentes da pior espécie, que destroem e dilaceram famílias, contaminando a sociedade, numa luta desigual e inglória, é obrigação, é essa a missão”. E encerrou reafirmando, ainda nas palavras de Anchieta, que “a absurda tristeza de ver o corpo de uma soldado tombar, é tão nefasta que faz repensar se vale a pena se doar sendo desprezado por senhores que prometeram respeito e reconhecimento e, nos confortáveis gabinetes palacianos, os tratam como privilegiados, brindando com pacotes de incertezas”.

 

Além da morte da PM Marciele Renata dos Santos Alves, por proposição do vereador Leandro Ferreira, a Bandeira do Rio Grande do Sul também será hasteada a meio-mastro, durante três dias, em protesto contra o pacote de medidas do Governo do Estado.