Decreto de calamidade é pauta na sessão desta segunda-feira

por Equipe Imprensa publicado 11/07/2018 09h25, última modificação 11/07/2018 09h25

Iniciando esta semana, a sessão plenária desta segunda-feira (09/07) não teve ordem do dia e – feita a leitura do protocolo - deu-se início ao grande expediente.

O primeiro a fazer uso da palavra foi o parlamentar Romário Paz, que comentou a respeito do decreto de calamidade expedido pelo líder do Poder Executivo, Prefeito Ico Charopen. “Nós vereadores não tínhamos conhecimento do decreto. Não houve nenhuma negociação de cargos como dito na mídia”, declarou.

Dando sequência, o Vereador Ulberto Navarro (Garrão) ratificou as palavras do Romário Paz, salientando que ele não tinha nenhum conhecimento sobre a situação.

Antônio Zenoir comentou o fato da seleção ter sido eliminada da Copa do Mundo e fez suas ponderações sobre o fato. "Vejo muitos brasileiros chorando a perda de um título, a eliminação, mas não vejo a população chorando pela atual situação da educação e da saúde. Ninguém chora isso, ninguém se mobiliza para isso. A nossa maior vergonha é os maiores políticos, os nossos maiores gestores que continuam desviando, cometendo barbáries. E ninguém chora isso”.

Aquiles Pires foi o seguinte a fazer uso do grande expediente, retomando o assunto sobre o decreto do Prefeito Municipal. "Ou a administração municipal está num abandono total, ou as pessoas não tem consciência do que é certo ou errado. Querem burlar a lei todos os dias. E a Câmara aqui, como se não existissem vereadores e fiscalizadores da lei. Estão passando por cima dos vereadores", ressaltou.

Carlos Nilo salientou também em relação ao decreto de calamidade pública feito pelo Prefeito Ico Charopen. "No momento em que não forem renovadas estas contratações, no momento em que perdemos o convênio com a FEPAM, o convênio do Estado, isso sim seria uma calamidade publica para Livramento”, declarou.

O Vereador Dagberto Reis seguiu a linha dos demais, remetendo-se ao governo municipal. “A Câmara está sendo atropelada pelo governo quanto às contratações. Os processos seletivos precisam ser transparentes”, afirmou.
Lídio Mendes, Melado, ainda no grande expediente, salientou a responsabilização da Câmara em relação às falhas do gestor municipal. “Eles fazem qualquer barbaridade lá, mas a culpa sempre é de nós vereadores, sempre estoura na Câmara”, declarou.

O último a usar a tribuna foi o vereador Marco Monteiro, manifestando-se em relação ao Habeas Corpus emitido para soltura do ex-presidente Lula ontem. "Vejo que foi uma tentativa frustrada para burlar os processos legais, e apenas ajudou a manchar a imagem do partido dos trabalhadores”.

Nas comunicações de liderança, a Vereadora Maria Helena Alves Duarte - líder de governo - e o vereador Dagberto Lula Reis expuseram e debateram seus ideais partidários, abordando temas relacionados aos governos atual e anterior.

Nas comunicações pessoais o parlamentar Maurício Galo del Fabro disse entender que Sant'Ana do Livramento está em colapso. “Eu não compactuo com esse decreto e nunca compactuarei" salientou o vereador. Galo também comentou "Calamidade pública é a questão dos buracos nas ruas, e a falta de material adequado para consertá-los. Mas devo admitir que as estradas rurais já apresentam melhora”, declarou.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.